De acordo com experts, toda a utilização realizada online diariamente (desde os feeds de notícias, as buscas efetuadas, as redes sociais, as compras, etc) são informações personalizadas que passaram por um processo de filtragem colaborativa fazendo posteriormente um eco digital. É desta forma que as notícias falsas e a desinformação são difundidas e todos nós, incluindo os muito jovens, somos submetidos a algoritmos otimizados e com conteúdos perniciosos, pois mostram apenas o que nos agrada, influenciando as nossas escolhas e a nossa forma de ver o mundo.

Para lutar contra este cenário tecnológico, Marc Zao-Sanders (CEO e co-founder da empresa filtered.com) aconselha 5 passos:

  • Esteja atento e não deixe que um código invisível tome as decisões por si. Questione e verifique a veracidade das informações disponibilizadas.
  • Altere suas configurações para permitir algumas recomendações aleatórias. Em vez de consumir passivamente o conteúdo distribuído, siga deliberadamente as pessoas com visões contrárias e explore proactivamente as plataformas sociais.
  • Saia do radar. Coloque-se frequentemente em navegação privada ou anónima não permitindo que todos os algoritmos controlem todas as suas pesquisas.
  • As seleções personalizadas de e-mail e feeds de média social são determinados por algoritmos. Conscientemente decida quanta influência quer receber, e os padrões de ética das publicações, se prefere uma cobertura abrangente em vez de uma subjetivamente relevante.
  • Ausente-se frequentemente da câmara de eco digital, e coloque-se Preste mais atenção aos sentimentos, observações, reflexões e conversas de vida real.

 

Ainda de acordo com Sanders, a influência dos algoritmos é imensa, mas pode ser uma faca de dois gumes: por um lado beneficia-nos com o fornecimento de conteúdos inspiradores e por outro tem o efeito tóxico de produzir biliões de peças de conteúdo predominantemente irrelevante.  Corrija o seu feed para otimizar a sua perspetiva na Internet, bem como no grande mundo.