O impacto que o Campeonato do Mundo na Rússia traz a Portugal

A Rússia vai receber a fase final do Campeonato do Mundo da FIFA de 2018 de 14 de junho a 15 de julho, merecendo toda a atenção dos aficionados da equipa campeã europeia de 2016, Portugal. Nesta altura não há clubismos, cores ou cidades: é a altura em que homens, mulheres, novos e velhos se reúnem à volta duma televisão para ver um jogo de futebol, ou caso não estejam atentos aos 90 minutos, correm para a sala ao ouvir o comentador anunciar um golo.

No entanto, que retorno é que toda esta euforia e excitação traz para um país como Portugal? A rentabilidade laboral aumenta ou diminui? Fazemos apostas online? Compramos mais cervejas, amendoins e camarões? Os cafés enchem e as casas reúnem famílias e amigos como se de um grande evento se tratasse?

Segundo um estudo publicado pelo Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM), uma vitória de Portugal no Campeonato do Mundo de futebol, na Rússia, traria um retorno económico de quase €700 M, equivalendo a um gasto de €65 por cada português ao longo de 50 dias. Caso a seleção não ultrapasse a fase de grupos, o impacto seria de €333 M, ou seja, €32 por cada português ao longo de 34 dias. Estes valores seriam distribuídos por vários bens/serviços consumidos não apenas em casa (35%), como também na restauração (15%), publicidade (22%), apostas 'online' (6%) e o prémio monetário do desempenho (6%).

Segundo o IPAM, as receitas vão contribuir para vários setores e entidades, como: a Federação Portuguesa de Futebol, agências de publicidade, agências de meios, empresas de 'catering', transportes, hotelaria, cafés, restaurantes, segurança, limpeza, polícia, empresas de apostas, meios de comunicação social, gasolineiras, marcas desportivas, cervejeiras, hipermercados, entregas de comida ao domicílio, tabaqueiras, agências de viagens e hotelaria, entre outros prestadores de serviços que muitas vezes nem nos damos conta que estão presentes e fazem o espetáculo acontecer.

Independentemente de tudo, este é um desporto criador de emoções, gerador de discussões, influenciador de gastos e consumos. Mas que no fim, ganhe Portugal.

Fonte: Jornal de Negócios; Notícias ao Minuto